Histórico

Constituída em abril de 1.938, sob a denominação de Alcindo S.Vieira & Cia. Ltda., dedicava-se inicialmente à construção civil. Gradativamente, expandiu sua atuação e em 1.944 passou a denominar-se Construtora Alcindo S.Vieira Ltda., transformando-se, a seguir, em sociedade anônima.

Com o crescimento constante ao longo dos anos seguintes, a companhia passou a atuar também em outros segmentos da construção, como terraplenagem e pavimentação, obras industriais e imobiliárias.

No final da década de 50, a oportunidade para construção da Usiminas viabilizou a formação da Construtora Vale do Piracicaba – Convap, controlada pela Alcindo Vieira e outras empresas associadas. Tal operação culminou com a aquisição pela empresa, em 1972, do controle acionário da Construtora Vale do Piracicaba S.A. – Convap, e sua incorporação à Alcindo Vieira, que passou a denominar-se Construtora Alcindo Vieira – Convap S.A., a qual, unificando suas atividades, passou a atuar também em importantes áreas da construção pesada, como barragens, fabricação e montagem de estruturas e túneis, entre outras.

Em 29 de abril de 1987, a denominação social da empresa foi alterada para “Convap Engenharia e Construções S.A.”.

A manutenção da qualidade e emprego de avançadas tecnologias permitiu a realização de perto de 500 obras públicas e privadas nos diversos campos da indústria da construção, sempre com plena satisfação de seus clientes e posicionando-a entre as maiores construtoras do país.

Assim é que a Convap construiu unidades importantes de praticamente todas as grandes usinas siderúrgicas brasileiras, como Usiminas, Companhia Siderúrgica de Tubarão, Açominas, Companhia Siderúrgica Nacional, Cia. Ferro Brasileiro, Cosipa, Cosigua, Mannesmann, tornando-se certamente a construtora brasileira de maior participação nesse tipo de construção.

Construiu também grandes indústrias de outros ramos, como parte da Fiat Automóveis e a Aracruz Celulose S.A., no Espírito Santo.

Participou de modo expressivo nas obras de grandes mineradoras brasileiras como a Cia. Vale do Rio Doce (Ferrovia Vitória-Minas, Ferrovia de Carajás, Ramal Ferroviário Capitão Eduardo Costa Lacerda, Mina de Timbopeba, Usinas de Pelotização, Usina de Tratamento de Minério de Cauê, túneis e pontes diversos), e para a Samarco as instalações da Minas de Germano.

Construiu importantes hidrelétricas, como parte da segunda e toda a terceira etapa da UHE de Cachoeira Dourada, no Rio Paranaíba, da UHE de Mascarenhas, no Rio Doce, e parte da UHE de Serra da Mesa, no Rio Tocantins.

Executou vários trechos de ferrovias, além dos acima citados, tendo construído para a Ferrovia do Aço 10 túneis, que, somados aos túneis executados nas outras ferrovias citadas e em rodovias (Piaçaguera-Guarujá), para outros fins específicos, como o Túnel Reservatório da Adutora do Rio das Velhas, em Belo Horizonte, colocam a Convap na posição de uma das maiores construtoras brasileiras de túneis.

Construiu importantes Estações de Tratamento de Água, como a do Guaraú, para a Sabesp, em São Paulo, na época considerada a maior da América Latina, e a Estação de Tratamento de Água de Nova Lima, no Rio das Velhas, para Belo Horizonte.

Construiu trechos importantes das maiores rodovias brasileiras como a BR-040 (trecho Belo Horizonte-Rio e Belo Horizonte – Brasília), BR-262, BR-116, BR-381, BR-106, BR-060, BR-354, BR-364, BR-163, etc., de rodovias estaduais em Minas, São Paulo, Rio Grande do Sul, Alagoas, Goiás, Pernambuco, etc., devendo destacar como traço marcante de sua atuação no setor rodoviário a excelente qualidade que sempre foi característica de seus trabalhos, traduzida, por exemplo, na durabilidade e perfeição dos pavimentos rodoviários que executou e que ainda hoje pode ser constatada em todos eles.

A Convap construiu também grande número de edifícios urbanos e públicos, podendo citar entre estes últimos o Edifício-Sede do DNER, em Brasília, pela sua área pouco comum de cerca de 87.000 metros quadrados.

Construiu também o Mineirinho, ginásio coberto em concreto armado com vão livre de 110 metros, altura de 35,80, área construída de 80.000 metros quadrados e capacidade para 25.000 pessoas.

Urbanização de Bairros em Belo Horizonte, citamos, São Bento, Cidade Nova, Castelo e Buritis sendo que este último com área total urbanizada de 3.332.466 m2 com 2.721 lotes.

A Convap tem atestados de todos os seus clientes, certificando a boa qualidade das obras que executou e seu perfeito cumprimento das obrigações constantes dos respectivos contratos.